Artigos Científicos

CAMELIA SINENSIS
Nome científico: Camellia sinensis (L.) Kuntze
Sinonímia científica: Thea sinensis L., Camellia thea Link. Camellia bohea Lindl.,
Camellia scottiana Wall., Camellia theifera Griff., Camelia viridis Link, Thea assamica
J.W.Mast., Thea cantoniensis Lour., Thea chinensis Sims, Thea cochinchinensis Lour.,
Thea grandifolia Salisb., Thea japonica Bail., Thea latifolia Lodd. Ex Sweet, Thea
longifolia Nois. Ex Steud., Thea oleosa Lour., Thea parvifolia Salisb., Thea sasangua
Nois. Ex Cels, Thea sinensis L., Thea stricta Hayne, Thea viridis L., Theaphylla
cantoniensis Raf., Theaphylla laxa Raf., Theaphylla oleifera Raf., Theaphylla viridis
Raf.
Nome popular: Chá Verde: Té, Té Verde, Tea (Inglês), Théier (Francês). Green Tea,
Chá da Índia. Chá Preto: Black Tea. Chá Branco: White Tea. Chá Vermelho: Red Tea,
Pu Erh Tea. Banchá: Sencha, Steamed Green Tea, Thea sinensis.
Família: Theaceae.
Parte Utilizada: Folha.
Composição Química: As folhas contem proteínas, glicídios, acido ascórbico,
vitaminas do complexo B e bases púricas, especialmente cafeína, polifenóis:
monosideos de flavonois e flavonas, catecois e epicatecois livres e esterificados pelo
acido gálico, produtos de condensação, e taninos. Bases Xantínicas: compostas
basicamente por cafeína e teofilina; Protoantocianidinas; Flavonóides: O-heterosídeos
de flavonóis e flavanonas, C-heterosídeos de flavonas, epicatecol, epigalocatecol e
seus ésteres gálicos; Outros: Óleo Essencial, Taninos Catequicos, Vitaminas do
Grupo B, Sais Minerais, Ácidos Fenólicos. Contém, entre outras substancias, a
teobromina, a teofilina e a cafeína em proporções, por vezes, superior a do café. O
Extrato pó micronizado deverá conter no mínimo 5%;1,5%;20% e 40% de polifenóis
totais, variando conforme o tipo.
Formula molecular: N/A Peso molecular: N/A
CAS: N/A
DCB: N/A
DCI: N/A
É uma arvore originária do Sudeste Asiático, China e Índia, sendo muito cultivado em
países com clima ameno e úmido. Apesar de ser amplamente encontrada em países
como Índia, Sri Lanka, Geórgia e Japão, a Camellia sinensis (L.) Kuntze de melhor
qualidade é a cultivada na China.
É um arbusto grande, com até 15 metros de altura. Possui folhas simples,
lanceoladas, coriáceas, quase glabras, de 4-7 cm de comprimento. Flores de cor
branca, solitárias ou em grupo de duas ou três nas axilas foliares. Os frutos são
cápsulas deiscentes e oblongas, com 1-3 sementes.
A primeira colheita das folhas e caules utilizados para a preparação dos chás
originados da arvore de Camellia sinensis (L.) Kuntze ocorre após 3-5 anos depois da
plantação da mesma. Quando a arvore atinge 20 anos, a produção alcança um alto
nível de quantidade e qualidade. A vida útil da arvore dura por aproximadamente 50
anos. A colheita, a secagem e o tempo de colheita são semelhantes para todos os
chás provenientes da Camellia sinensis (L.) Kuntze.
O sabor do chá depende do local e da forma que ele foi cultivado. A altitude, o solo e o
clima têm um considerável efeito sobre o sabor. Chás cultivados em locais com alta
atitude amadurecem mais lentamente e têm um rendimento mais baixo, resultando
numa maior qualidade.
Atualmente existem cinco principais tipos diferentes de chás provenientes da Camellia
sinensis (L.) Kuntze: Chá Verde (Green Tea),Chá Branco (White Tea), Banchá, Chá
Vermelho (Red Tea / Dark Tea) e o Chá Preto (Black Tea). Uma das principais
diferenças entre esses chás é o grau de fermentação, conforme descrito abaixo:
Chá Verde:
O Chá Verde é totalmente não fermentado por causa do processo de eliminação das
enzimas. Cada ano uma variedade grande de Chá Verde é produzida na China. Entre
eles, os principais são: Sencha, o Gunpowder e Chunmee. A folha e o caldo verde são
as principais características do Chá Verde. A eliminação de enzimas, a secagem e a
mistura são os processos básicos para a preparação do Chá Verde.
As folhas são colhidas ainda jovens, antes de estarem completamente desenvolvidas.
Procede-se rapidamente a secagem e são enroladas ainda quentes para a formação
do Chá Verde. As folhas são expostas a vapor d’água e depois as expõem a altas
temperaturas com a finalidade de eliminar a fermentação. Logo após são secas
rapidamente, adquirindo assim um produto final de cor verde escura e forma enrolada.
Fermentação Eliminação de
Enzima
Polifenóis
(média)
Taninos
(média)
Cafeína
(média)
0% Sim 10% 8% 1,5%
Chá Preto:
O Chá Preto é completamente fermentado. As variedades mais famosas de Chá Preto
são: Chá Preto de Keemun, Chá Preto de Yunnan e Chá Preto de Fujian. Há quatro
etapas principais para a preparação do Chá Preto, são elas: desidratação das folhas e
caules frescos, mistura das folhas e caules já secos (durante a mistura ocorre o
aumento do aroma característico do Chá Preto), fermentação (o sabor e a coloração
específicos do Chá Preto são acentuados nessa etapa) e secagem através de
evaporação de toda a água presente nas folhas e caules utilizados para a preparação
do mesmo. Quando comparado aos demais chás provenientes da arvore de Camellia
sinensis (L.) Kuntze, o chá Preto apresenta um sabor mais forte e acentuado, isso
ocorre pelo processo de fermentação.
O odor aromático é devido à presença de compostos voláteis, formados durante as
operações de fermentação e secagem: derivados cetônicos, resultantes da
degradação de carotenos; hexenal, formado pela oxidação de ácidos graxos
insaturados e heterocíclicos diversos, produtos da oxidação e rearranjo estrutural de
monoterpenos. São coletadas as folhas frescas, as gemas e a porção terminal do
caule que as sustentem. Logo em seguida, são levadas para um quarto bem ventilado,
deixando que as sequem e murchem durante o dia. As folhas, neste caso tornam-se
flexíveis e flácidas. Após isso, faz-se passar por máquinas rotativas produzindo-se a
destruição tissular. Finalizada esta etapa, as folhas são colocados em um quarto frio
para que ocorra a fermentação devido a processos de oxidação enzimática e logo as
folhas são expostas a altas temperaturas em telas metálicas até que tomam uma
consistência dura e quebradiça.
Fermentação Eliminação de
Enzima
Polifenóis
(média)
Taninos
(média)
Cafeína
(média)
95% Não 14% 9% 1,8%
Chá Branco:
A maioria dos Chás Brancos são produzidos na província de Fujian. As principais
variedades são: Pai Mu Tan, Silver Needle e Fannings. O Pai Mu Tan é classificado
como um “Chá Especial”, por causa do seu processo de preparação ser complexo e
sua produtividade ser baixa.
O processo básico para preparação do Chá Branco consiste em: secar, desidratar,
selecionar, aquecer, cortar e misturar.
Fermentação Eliminação de
Enzima
Polifenóis
(média)
Taninos
(média)
Cafeína
(média)
5% Não 16% 10% 2%
Chá Vermelho:
O Chá Vermelho é um tipo de Dark Tea. Diferencia-se pela fermentação que ocorre no
final do processo de preparo do mesmo. A primeira etapa de preparação do Chá
Vermelho é a eliminação das enzimas. Logo em seguida, as folhas são misturadas (o
que irá aumentar o aroma do chá). Após a mistura, permanece certo período secando.
Para finalizar, ocorrem as etapas de fermentação, onde o Chá Vermelho irá adquirir a
sua coloração característica, e secagem. Somente apos todas as etapas descritas
acima, as folhas são selecionadas e a preparação do Chá Vermelho se encerra.
Fermentação Eliminação de
Enzima
Polifenóis
(média)
Taninos
(média)
Cafeína
(média)
80% Sim 7% 4% 1,5%
Chá Amarelo:
A principal diferença do chá amarelo é o tempo da colheita e fermentação, que
caracteriza sua cor e seu sabor, que é um grande diferencial por ser bem mais suave
e, ainda é possível sentir um leve adocicado na bebida.
O chá amarelo possui grandes quantidades de ácido gálico, que é um grande amigo
do seu fígado, protegendo-o de muitas toxinas nocivas para o seu funcionamento
adequado, evitando até mesmo alguns possíveis problemas de saúde. Também é rico
em polifenóis e catequinas, responsáveis por manter a saúde das células. Esse ponto
se deve ao fato do tempo de fermentação ser mais lento, resultando em uma maior
quantidade dos polifenóis.
O que diferencia é o tempo da colheita e da fermentação.
Banchá:
O Banchá, também conhecido como Sencha ou Steamed Green. É totalmente não
fermentado e possui uma característica peculiar de eliminação de enzimas o que
garante seu frescor e sabor originais.
Fermentação Eliminação de
Enzima
Polifenóis (média) Taninos
(média)
Cafeína
(média)
0% Parcialmente 13% 8% 0,3%
Indicações e Ação Farmacológica
Utilizado na forma de produtos solúveis, como chá alimentício e estimulante. Também
utilizado como auxiliar de regimes dietéticos, antipruriginoso e emoliente em afecções
dermatológicas.
A Camellia sinensis, em especial o Chá Verde e aplicável também ao Chá Branco,
trata-se de um poderoso antioxidante, rica fonte de flavonóides (que reduz o risco de
derrames). Os antioxidantes polifenóis presentes no Chá Verde impulsionam as
atividades antioxidantes no sangue em até 50%, esse impulso ocorre
aproximadamente meia hora depois de se tomar o chá. Também melhora a eficiência
do sistema enzimático de desintoxicação do fígado. Utilizado como diurética, lipolítica,
tônica, para estimular a secreção da adrenalina e liberar os ácidos graxos.
Os flavonoides inibem a peroxidação lipídica in vivo e in vitro. Existem relatos de
inibição de autoxidação do ácido linoleico, oxidação de LDL, peroxidação de
fosfolipídios da membrana, peroxidação lipídica microssomal e mitocondrial, lise e
peroxidação de eritrócitos e fotoxidação e peroxidação de cloroplastos. A cafeína
acompanhada de um pouco de xantina, teofilina e adenina, possui propriedades
estimulantes. Atribui-se aos taninos catequicos a ação antibiótica contra Vibrio
cholera, além da propriedade antidiarréica por inibição das toxinas estafilocócica e
colérica.
Entre os usos medicinais, podemos destacar seu uso como tônico e diurético. As
bases xantínicas apresentam uma ação diurética e tônica-estimulante, a qual é bem
mais suave que a exercida pelo Café, apresentando um efeito mais prolongado em
tempo. A mesma se dá através da inibição enzimática da fosfodiesterase, a qual gera
um aumento de AMP cíclico e desta forma tem-se maior atividade catecolaminérgica.
Todo esse mecanismo é regulado pela presença dos polifenóis, os quais formam um
complexo com a enzima oxi-metiltransferase responsável pela destruição da
adrenalina, e assim as catecolaminas permanecem mais tempo no organismo.
Com relação ao metabolismo lipídico, os extratos de Chá da Índia demonstraram em
animais uma atividade positiva sobre o mesmo, reduzindo a acumulação de lipídios na
aorta e no fígado de ratos alimentados com uma dieta aterogênica, diminuindo a taxa
plasmática de lipídios totais, sem afetar os níveis de colesterol HDL, lecitina e
triglicerídeos.
O epicatecol e o restante dos compostos polifenólicos (flavonoides, ácidos fenólicos e
protoantocianidinas) demonstraram inibir processos que geram tumores
experimentalmente devido a um provável bloqueio de substâncias promotoras,
hormônios ou fatores de crescimento tumoral com seus respectivos receptores.
Os extratos orais de Chá da Índia ou a injeção parenteral dos extratos com a fração
polifenólica demonstraram efeitos inibitórios sobre a progressão de papilomas
experimentais.
Os extratos polifenólicos do Chá da Índia, in vitro, um efeito inibitório sobre a enzima
transcriptase reversa necessária pela replicação do vírus HIV-1 e o vírus da hepatite
B. O efeito inibitório estende-se também para a enzima DNA-polimerase do vírus
simples do herpes. Por outro lado, o Chá Preto administrado por instilação nasal,
inibiu o desenvolvimento de infecção por vírus da Influenza. Também exerce por via
oral uma atividade bactericida frente ao Vibrio cholerae 01, inibindo especialmente sua
atividade hemolítica.
As protoantocianidinas apresentam um efeito anti-inflamatório e angioprotetor, no
entanto os taninos uma ação adstringente e antiácida, sendo esta última atividade
comprovada pela Universidade de Osaka no Japão, em estômagos de porcos,
apresentando assim uma atividade inibitória sobre a enzima próton ATPase,
responsável pelo intercâmbio iônico de hidrogênio por potássio nas células parietais.
No campo da Cosmetologia trabalhos relacionados com a propriedade fotoprotetora
do Chá Verde contra os efeitos adversos dos raios UV em camundongos e modelos
de pele humana foram realizados, principalmente pelo fato do Chá Verde possuir
pronunciada atividade antioxidante, anti-inflamatória e anticarcinogênica.
O Chá Preto e o Chá Verde são ricos em Flavonóides. Os Flavonóides são
substancias semelhantes às vitaminas, que naturalmente estão nos chás, e também
nas frutas e vegetais. Os Flavonóides tendem a tornar as células do sangue menos
propensas à coagulação. Além disso, eles podem ajudar a reduzir o risco de
derrames, inclusive os “miniderrames” que podem causar sintomas similares aos do
Mal de Alzheimer. Num recente estudo, os homens que fizeram ingestão de
flavonóides mostraram uma taxa de risco de derrame 73% menor que a de um grupocontrole,
durante um período de 15 anos. No estudo, os homens obtinham
aproximadamente 60% de seus Flavonóides através do Chá.
Interessante
Na Revista Veja Edição Especial Saúde, novembro de 2002, uma reportagem mostra
alguns benefícios do Chá Verde, dentre eles a auxiliar no emagrecimento, onde é
citado um trabalho publicado na revista da Sociedade Americana de Nutrição
(American Journal of Nutrition) que acompanhou dois grupos em dieta de
emagrecimento. A um dos grupos, além da alimentação balanceada e com baixas
calorias, recomendou-se a ingestão de seis a oito xícaras de Chá Verde por dia. Ao
final do estudo, estes pacientes haviam perdido 4% a mais de gordura do que aqueles
que não consumiram a bebida. A explicação estaria no fato do Chá Verde acelerar
bastante o metabolismo, o que faz que seja contra-indicado para os pacientes com
problemas cardíacos.
Toxicidade/Contraindicações
Pode gerar insônia devido a presença de cafeína. Através de estatísticas realizadas
no Oriente, foi estabelecida uma ligação entre a ingestão de Camellia sinensis (L.)
Kuntze o Câncer de Esôfago. Em primeira instancia essa ligação foi atribuída às altas
temperaturas que os chás são consumidos e, em segundo lugar, pela presença de
Taninos catequicos condensados. A presença de taninos no Chá da Índia pode
interferir a absorção de nutrientes, minerais (ferro) ou com as atividades de enzimas
digestivas.
Dosagem e Modo de Usar
– Infusão: 5g 3 a 4 doses diárias.
Referências Bibliográficas
ALONSO, J. R. Tratado de Fitomedicina. Isis Ediciones. 1998.
KHALSA, M.D. Longevidade do Cérebro. 12ºedição.
LORENZI, H.;MATOS F.J.ABREU. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e
exóticas. Instituto Plantarum, 2002.
MATOS, F.J.A. Farmácias Vivas. UFC. 3º Edição, 1998.
ORTIZ,E.L. Encyclopedia of Herbs, Spices & Flavourings. A Dorling Kindersley
Book, 1992.
Revista Racine, Vida Natural: Chá Verde Chinês. Março/Abril 1999.
Revista Veja Especial Saúde, Novembro, 2002.
SELEÇÕES DO READER´S DIGEST.Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais.
1983.
SIMÕES, C.M.O. Farmacognosia da Planta ao Medicamento. Editora Universidade
(UFRGS/ UFSC). 1º edição, 1999.
SOARES, A. D. Dicionário de Medicamentos Homeopáticos.Livraria Editora, 2000.